FAB Newsletter

Subscreva a nossa Newsletter e receba as últimas notícias directamente no seu endereço electrónico.

FAB

05 Janeiro 2011

Última actualização: 28.09.11

Historial


Basquetebol angolano 75 anos.
O mais glorioso do desporto angolano.

Rei e senhor em África, o basquetebol angolano celebrou no passado dia 18 de Maio, as suas bodas de diamante, num percurso iniciado precisamente à de Maio de 1930, altura em que pela primeira vez se disputou uma partida de basquetebol em Angola. E de lá para cá passaram-se 75 anos de história repleta de sucessos, com muitos pontos altos, qual deles o mais significativo, qual deles o mais brilhante. Foi Pina Cabral, um oficial do exército português e professor de Educação Física do Liceu Central Salvador Correia, que em 18 de Maio de 1930 organizou a primeira partida de exibição de basquetebol em Angola por ocasião do X aniversário do Sporting Clube de Luanda, com cuja equipa a Associação Académica do Liceu Central Salvador Correia disputou precisamente o torneio «Pina Cabral». À época essa empreitada afigurava-se de um atrevimento e aventureirismo extremos em razão de que o universo desportivo angolano já estava povoado por modalidades que arrebatavam a paixão dos sportmen (era assim que se chamavam os desportistas) da velha Loanda, tais como o futebol, o remo e o atletismo, cujo nível competitivo era altíssimo e em alguns casos comparável com o da Metrópole.

Mas, Pina Cabral, um devoto da «bola ao cesto» correu todos os riscos e lançou-se na saborosa «aventura» de iniciar os seus alunos no aprendizado do basquetebol, algo que culminou com a realização do já citado desafio no stadium do Ferrovia Atlético Clube, um espaço sem pavimento (pelado, portanto) e até então talhado para a prática do futebol. Curiosamente, é um dos recintos que nos primórdios da segunda década do século XX recebera as primeiras partidas de futebol entre equipas de cruzadores ingleses e de outras nacionalidades que aportavam o porto de Luanda.

O épico e histórico embate entre a Associação Académica e o Sporting Clube de Luanda terminou com o caricato placard de 8-5 favorável aos «verde e branco», embora à época a turma do liceu tivesse mais treinos nas pernas (e já agora nas mãos também…) e fosse considerada a melhor do burgo luandense, como sugeriu, de resto, a previsão do diário «A Província de Angola» de 16 de Maio de 1930: «A Associação Académica, possuidora duma boa equipa com vastos recursos técnicos e atléticos, fará, certamente, uma demonstração forte e cheia de emoção e os rapazes do Sporting vão esforçar-se para honrar as gloriosas cores do seu clube opondo-lhe uma tenaz defesa». Na ressaca dessa partida histórica, o mais importante periódico da época escrevia a 20 de Maio que «a Associação Académica, embora batida, mostrou mais conhecimentos que o seu adversário. Sentia a diferença do campo e apoderou-se dum grande nervosismo quando via o Sporting marcar quatro pontos em poucos minutos».

Há quem defenda, entretanto que, apesar de ter sido o oficial do exército português e professor de Educação Física do Liceu Central Salvador Correia a organizar a primeira partida de basquetebol que se tem conhecimento no nosso país, na verdade foi Sebastião Pombal o grande impulsionador da modalidade na capital angolana, o primeiro distrito da então província de Angola a ver a bola lançada ao ar. Ele foi dos primeiros a ter uma bola de basquetebol e a jogar com colegas de liceu, o que aguçou o interesse de Pina Cabral, que praticara a modalidade em Portugal continental. Este, de acordo com os defensores de Sebastião Pombal, tratou apenas de aprofundar o estudo da modalidade e iniciar os seus alunos nos rudimentos do basquetebol. Isso é, porém, contrariada por uma peça inserta no diário «A Província de Angola» de 16 de Maio de 1930 que escrevia o seguinte: «Segundo nos consta, deve realizar-se deste belo desporto entre uma equipa da Associação Académica e outro do Sporting Clube de Luanda para a disputa de um pequeno troféu com o nome de Bronze Pina Cabral, o introdutor do basket em Luanda».

As dificuldades de afirmação

O basquetebol conheceu sérias dificuldades para lançar a bola ao ar no primeiro jogo de exibição, embora a 4 de Maio tivesse sido realizado uma partida, cujos intervenientes a imprensa da época não faz referência muito provavelmente por se tratar, como constatamos numa consulta da imprensa da época, de uma espécie de jogo solteiros contra casados. As dificuldades para o basquetebol se implantar entre o leque de modalidades que já compunham o mosaico desportivo angolano foram de tal ordem que por ocasião do primeiro desafio de demonstração havia apenas três clubes, designadamente os dois que se bateram a 18 de Maio, bem como o Clube Atlético de Luanda.

Nesse capítulo, «A Província de Angola» dava sérios sinais à navegação: «É necessário a estes empreendimentos a boa vontade de meia dúzia de carollas que, não procurando vencer o adversário após uns escassos treinos, tem como fito vencer a resistência passiva de muitos incrédulos que há em Luanda e dentro de certos clubes. À iniciativa da simpática Associação Académica corresponderam o Atlético e o Sporting e certamente outros clubes enfileirar-se-hão ao lado destas três agremiações».

O mesmo periódico, ao comentar uma partida de futebol disputada precisamente na mesma tarde de 18 de Maio enveredava pela inevitável comparação com o basquetebol: «Na tarde desportiva de domingo, se o desafio de basket constituía a surpresa duma modalidade nova, o futebol era a certeza dum jogo brilhante e animado. (…) Tal não sucedeu».

Ainda assim, ou seja, mesmo sem a popularidade de outras modalidades, a jornada de 18 de Maio de 1930 elevou-se ao patamar do sucesso e mereceu a atenção da imprensa. Dois dias antes do encontro o jornal especializado «Vida Desportiva» anunciava em destaque numa página de interior – à época futebol, remo e atletismo dominavam o noticiário desportivo da província – que «teremos já um desafio de basquetebol no próximo domingo», enquanto após a contenda «A Província de Angola» de 20 de Maio relatava: «Com uma verdadeira enchente realizou-se no campo do Ferrovia, fazendo parte das festas do Sporting Clube de Luanda, o primeiro desafio de basquetebol realizado em Angola, entre o equipa da Associação Académica e o outro do clube promotor. O jogo que decorreu animado terminou com a vitória do Sporting por 8-5, embora um resultado mais elevado de parte a parte tivesse defendido melhor a marcha do encontro».

Esse passo, porém, não foi suficientemente largo para lançar definitivamente a modalidade em Angola. Aliás, após a partida entre «leoninos» e «estudantes» só se voltaria a jogar basquetebol passados seis meses. A resistência dos clubes em abrir as portas a «bola ao cesto» era assustadoramente grande. Na verdade, ninguém queria ceder à tentação do basquetebol. Tanto foi assim que depois dos três primeiros grémios já citados, passados dois anos só o Sport Lisboa e Luanda (depois designado Sport Luanda e Benfica) aderia ao basquetebol.

Na verdade, só em finais da década de 50 é que o basquetebol afirmou-se no então território ultramarino de Angola, com o início de disputa de campeonatos regulares, tanto ao nível distrital (agora provincial) como provincial (nacional), ganhando uma vitalidade tal que em 1969 o Benfica de Luanda sagrou-se campeão de metropolitano, o mesmo que dizer campeonato de Portugal. Então, ou seja a partir de 1963, o campeonato luso era disputado por duas equipas do continente, bem como os campeões de Moçambique e Angola, numa poule a uma volta em cidades indicadas pela Federação Portuguesa de Basquetebol (FAB). De 1975, altura em que o país ascendeu à independência nacional até aos dias de hoje muitos títulos foram conquistados pelo basquetebol angolano. Sete «Afrobasket’s» ganhos, duas Taça dos Clubes Campeões ganhas, vários títulos de MVP’s para jogadores nacionais e participação de atletas nacionais na única selecção continental formada até agora, algo que aconteceu em 1985 por ocasião do Jubileu da Associação das Federações Africanas de Basquetebol Amador (AFABA, hoje FIBA-África).

Seguramente, quando Pina Cabral lançou as primeiras sementes à terra jamais imaginou que 75 anos depois a safra dessa sementeira elevaria Angola à condição de principal referência do basquetebol africano e um freguês dos campeonatos do mundo e Jogos Olímpicos, algo que por ocasião de Atlanta’96 mereceu um rasgado elogio do circunspecto e seríssimo periódico norte-americano «The Wall Street Journal».

Sondagem

Os séniores masculinos vão marcar presença nos Jogos Olímpicos de Londres